quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

As 4 tendências de Neuromarketing para 2017 Giovanni Tellini 26 de janeiro de 2017


Depois de um 2016 agitado em todos os cenários, acredito que todos estavam torcendo por um ano menos intenso… Janeiro ainda não acabou, e já deu pra perceber que não é desta vez que os nossos desejos de navegar em águas mais calmas serão realizados, não é mesmo?
Tendo em mente que sobreviver a 2017 não será tarefa para amadores, o sucesso de cada um dependerá de muito planejamento e de estratégias cada vez mais assertivas e inovadoras para entender o consumidor, cujos desejos e necessidades estão mudando rapidamente.
Seja para a criação de campanhas publicitárias mais eficientes, estratégias de branded content mais impactantes, produtos mais atraentes, ou ações mais assertivas no PDV, as palavras de ordem deste ano são: ousadia, inovação, assertividade e antecipação. Agora é a hora de entender para onde o seu consumidor está indo e, claro, de chegar lá antes dele.
Parece complexo, não parece? Pode ficar tranquilo, pois estou aqui para te ajudar. Embora as ferramentas específicas para entender questões pontuais do mercado acabem variando de acordo com o tipo de produto que será avaliado e com a questão que precisa ser respondida, algumas ferramentas de Neuromarketing estão, nitidamente, ganhando um grande destaque no mercado e, com certeza, te ajudarão a entender o que o seu consumidor realmente pensa e a criar boas estratégias. Quer saber quais são estas ferramentas de Neuromarketing e como elas vão te ajudar?
Resultado de imagem para brain consumer
Como autoridade no assunto, a Forebrain lista para você algumas das tendências do Neuromarketing para 2017:

1. Integração de ferramentas de Neuromarketing para avaliar a comunicação

Cada vez mais, a necessidade de métricas que integrem análise complementares fica evidente. Principalmente quando levamos em consideração a interminável discussão sobre campanhas emocionais X campanhas com CTA mais imperativo, torna-se imprescindível que os testes de campanhas publicitárias sejam capazes de incorporar:
  • Análises detalhadas dos filmes;
  • Influência da campanha no comportamento do consumidor;
  • Reforço do posicionamento da marca;
  • Impacto sobre a intenção de compra/assinatura dos produtos e serviços anunciados.
Uma ótima maneira de realizar este tipo de avaliação integrada – que está se mostrando uma alternativa muito escolhida pelos nossos clientes – é através da associação de diferentes técnicas de Neuromarketing: técnicas neurométricas – o famoso eletroencefalograma (EEG) – e metodologias comportamentais, como o eye-tracking e o teste implícito de associação (TIA). Enquanto o EEG e o eye-tracking identificam os elementos mais eficientes para chamar a atenção, gerar maiores índices de memorização e provocar emoções mais intensas no consumidor, o TIA nos mostra como uma campanha influencia as associações inconscientes entre marcas/produtos e determinados conceitos.
Em outras palavras, através desta integração de ferramentas de Neuromarketing, além de entendermos todos os pontos relacionados à atenção, motivação e memorização, conseguimos avaliar se uma campanha reforça o posicionamento de uma marca e se aumenta a intenção de compra de certos produtos.
2. Metrificação da resposta emocional gerada por produtos e embalagens
Muito se fala sobre comoditização, guerra de preços, aumento de competitividade e crise, mas pouco se discute sobre formas eficientes de contornar todas essas questões. Diante do cenário atual do nosso país, a fidelidade às marcas está cada vez menor, e o comportamento do consumidor nos mostra que já passou da hora de mudar o mindset de “preço baixo a qualquer custo”. Mesmo assim, buscar o diferencial através do preço baixo ainda é uma prática muito comum no mercado.
Sabendo disso, o momento é oportuno para quem aposta na criação de experiências únicas para o consumidor. E aí você pode me perguntar: “mas qual é a melhor maneira para criar a famosa experiência WOW?”.
Algumas ferramentas de Neuromarketing são capazes de avaliar:
  • Como o seu produto é percebido pelos consumidores;
  • Se o posicionamento do produto está de acordo com o da categoria;
  • Se o produto chama atenção (tanto em ambientes controlados quando no PDV);
  • Qual é o valor percebido pelo consumidor;
  • Qual é a resposta emocional gerada pelo produto e por sua embalagem.
Basicamente, o Neuromarketing ajuda a metrificar a experiência do consumidor e a desenvolver produtos mais atraentes e que vendem mais.
3. Neuromarketing na avaliação de espaços publicitários
Apesar das opiniões acerca de métricas para avaliar espaços publicitários serem significativamente contrastantes, o fato é que a avaliação de espaços publicitários representa um grande desafio para as agências – que precisam comprovar a eficácia de seu trabalho – para os anunciantes – que querem otimizar seu ROI – e também para os próprios veículos de comunicação.
Além de orientar o desenvolvimento de campanhas e produtos, as ferramentas de Neuromarketing também estão sendo muito procuradas por quem precisa de avaliações mais precisas de espaços publicitários.
Métricas como porcentagem de visualização, engajamento, saliência, dentre outras, estão trazendo resultados bastante detalhados sobre os melhores formatos e posições de anúncios e sobre o seu impacto no comportamento do consumidor. Além disso, metodologias como a avaliação da sudorese e o TIA, são capazes de revelar o nível de envolvimento do espectador com o anúncio avaliado e como a sua visualização influencia dois pontos importantes que abordei no primeiro tópico: criação de marca e intenção de compra.
4. Neuromarketing digital
Que as pesquisas de Neuromarketing trazem conhecimentos profundos sobre o comportamento do consumidor, acredito que você não tenha mais dúvidas. E que pesquisas online são práticas, rápidas e mais baratas que as realizadas presencialmente, talvez as dúvidas sejam menores ainda. Agora, você já pensou como seria se uníssemos esses dois tipos de pesquisa?
Tendo em vista a grande necessidade do mercado em obter respostas consistentes em pouco tempo – e gastando menos dinheiro – uma das apostas da Forebrain para 2017 é na realização de pesquisa de Neuromarketing Digital. Isso mesmo, pesquisas de Neuromarketing realizadas totalmente online, que podem te ajudar a entender o consumidor de forma rápida, prática, mais acessível e sem qualquer barreira geográfica.
Para saber mais sobre as ferramentas de Neuromarketing e como elas podem te ajudar a se destacar e a conquistar cada vez mais o coração e a mente dos seus consumidores, entre em contato com a gente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário